A série 13 Reasons Why da Netflix causou muita controvérsia desde o seu lançamento. A Agda, inclusive, publicou um artigo aqui no site alertando sobre algumas recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS) acerca dos problemas causados pela ampla divulgação e cenas explícitas de suicídio. Foi noticiada nesta semana a produção da segunda temporada da trama, ou seja, parece que neste riacho polêmico muitas águas ainda vão rolar.

A temática é de fato perturbadora e considerada um tabu. De modo geral, pouco se diz a respeito. Tenho visto vários psicólogos destacarem um ponto positivo da série: o despertar da sociedade em relação ao tema. Grupos estão promovendo debates, rodas de conversa, palestras, pais estão mais alertas etc.

Pesquisando sobre o assunto, encontrei um vídeo do psicólogo e escritor Frederico Mattos (o qual acompanho há alguns anos) pontuando como identificar e ajudar uma pessoa com tendências suicidas. Transcrevo abaixo para que sirva de apoio a você que busca informações sobre a matéria.

Como identificar uma pessoa com intenções suicidas?

Antes de começar, é preciso dizer que esses itens isoladamente não querem dizer que uma pessoa tem tendências suicidas, de jeito algum. Porém, se apresentados com certa frequência e intensidade, podem ajudar a identificar uma pessoa com intenções suicidas. Isto posto, seguem as considerações:

  1. Visão de falta de alternativas. Perdas muito frequentes e traumáticas podem deixar a pessoa sem perspectiva, como se não houvesse uma saída, um escape; a única possibilidade que ela enxerga é o suicídio.
  2. Desesperança e falta de sentido. Quando a pessoa pensa que não há respostas para os seus problemas, perde a razão para viver, não vê mais sentido para a sua existência.
  3. Sofrimento constante. Semelhante ao item anterior, mas com o acréscimo de uma dor emocional muito forte.
  4. Uso de substância. Abuso de álcool, cocaína, cigarro, medicamentos.
  5. Perda de interesse. Como se a pessoa fosse se desconectando do mundo, das coisas e pessoas que gosta.
  6. Isolamento social. O sujeito vai se fechando no seu mundo, no seu quarto, na sua mente.
  7. Descaso com a aparência.
  8. Alteração de humor. Picos de euforia e picos de desinteresse.
  9. Apatia. Indiferença com os acontecimentos à sua volta. Por exemplo, quando alguém traz uma notícia, boa ou ruim, a pessoa não demonstra qualquer interesse, como se estivesse anestesiada para o que ocorre ao seu redor.
  10. Situações de perigo. Descuidos frequentes, acidentes na rua.
  11. Preparo financeiro. Comum, geralmente, em pais de família e empresários. Tendem a deixar tudo organizado, como se estivessem encaixotando suas coisas para a derradeira despedida.
  12. Ódio ou raiva descontrolada. Também pode ocorrer desejos de vingança.
  13. Vergonha, culpa ou raiva de si mesmo.
  14. Medo de perda de controle.
  15. Medo de se machucar. Medo constante de ser machucado ou machucar os outros.

É importante dizer também que quando a decisão pelo suicídio é tomada, pode haver um alívio súbito, um aparente bem estar na pessoa. Isso, infelizmente, não significa que ela abandonou o seu intento. É como se a decisão tirasse certa angústia sentida antes, enquanto estava em dúvida se tiraria ou não a própria vida. Por isso, mantenha-se atento!

Como ajudar uma pessoa com intenções suicidas?

O psicólogo propõe o seguinte:

1. Seja direto. Seja educado, manso, mas fale sem rodeios. Pergunte diretamente.

2. Não julgue. Condenar a pessoa que está sofrendo emocionalmente, julgando-a como fraca ou incapaz é no mínimo uma demonstração de ignorância (este comentário é do editor).

3. Perguntas que podem ajudar:

• Você já pensou em tirar sua vida?
• Você já planejou?
• Você está pensando nisso agora?
• Como planejou?
• Acha que a vida não vale a pena?
• Não acha que existem outras opções?

As perguntas precisam ser diretas. Se houver conexão entre essa pessoa e você, ela poderá se abrir e compartilhar o problema. Porém, se ela perceber que você vai problematizar ainda mais a situação, ela não irá se abrir.

4. Se esta pessoa se abrir com você, faça um pacto de vida com ela. Coloque-se à disposição para receber ligações, mensagens e encontrarem-se pessoalmente. Se ela pensar em suicídio novamente, deve falar com você. Serão ambos lutando pela vida.

5. Todos devem saber. Familiares, colegas de trabalho, amigos que amam essa pessoa, devem saber do fato. Manter esse segredo de pessoas próximas poderá agravar a situação. É importante o apoio de todos em favor da vida.

6. Não seja dramático. Não problematize ainda mais a situação, não seja exagerado nas reações. No propósito de ajudar, seja sereno, amigo. Tenha um olhar cuidadoso em relação ao outro e respeite a sua dor.

7. Procure um especialista. Busque a orientação de um psiquiatra, psicólogo, terapeuta. Pode ser um pastor ou padre, mas que tenha conhecimento e, preferencialmente, experiência no assunto. Não procure leigos. Além disso, você pode contar com a ajuda do CVV — Centro de Valorização da Vida, por meio do telefone número 141. No site você encontra informações e vários canais de atendimento gratuito: www.cvv.org.br.

Alguém da sua família cometeu suicídio?

Por fim, se alguém da sua família tirou sua própria vida, o especialista recomenda alguns cuidados:

  1. Pare de se culpar. Não temos o controle sobre tudo. Inúmeras coisas acontecem independentemente da nossa vontade.
  2. Não julgue o passado. É hora de cuidar de si. De nada vai adiantar remoer o passado e matutar lembranças ruins que em nada contribuirão para o seu bem estar emocional e físico.
  3. Evite “eu” deveria ter salvo. 
  4. Evite “eu” deveria ter previsto. Mesmo com as dicas dadas aqui sobre como identificar uma pessoa com intenções suicidas, o ato em si não costuma ser previsível. Até mesmo profissionais da área de saúde mental, acostumados a lidar com esse tipo de problema, por vezes veem-se surpreendidos pelo suicídio.
  5. Evite “nunca mais serei feliz”. É extremamente doloroso perder alguém, quanto mais por um suicídio. Mas é importante você procurar preservar-se. Perceba a sua dor, respeite-a e procure ajuda.


Se este artigo, de algum modo, foi útil pra você, compartilhe com os seus amigos! Por favor, deixe sua opinião nos comentários.